Escola de Ciência Política


Sede do poder político
Outubro 4, 2007, 2:11 am
Filed under: Conceitos Metodológicos
Conceitos Operacionais

– O Poder Político como relação entre a sociedade civil (república ou comunidade) e o aparelho de poder (governo ou principado).
O primado do político, da ideia de política como esforço para a participação no poder.
O poder político como relação complexa, mais ampla que o binómio governantes/governados.
A cidadania como exigência da política. A distinção entre o cidadão, o súbdito e o escvravo.

— A luta pela aquisição, manutenção e exercício do Poder não se reduzindo ao espaço do governo mas, antes, abrangendo toda a república. Ultrapassagem do binómio duguitiano governantes/governados. A luta política como conquista das condições de obediência e de desobediência, isto é, pelo modo como os valores sociais são imperativamente distribuídos.

–A política como processo pelo qual os valores sociais são indicados imperativamente, onde há uma distribuição feita a partir de cima, através de instituições para tanto autorizadas e que até podem usar a força para a obtenção desse resultado.

–A ideia de processo político. A distribuição de valores processa-se através de decisões. As decisões são produzidas por actividades. As actividades constituem uma massa de movimentos de grupos.

–O grupo como conjunto de homens, como massa de actividades e não como massa física separada, dado que cada homem participa ao mesmo tempo em várias massas de actividades.
O grupo como massa de actividades movida por interesses, onde há flutuação de adesões. A sociedade como mosaico ou complexo de grupos. O afrontamento, o ajustamento e a dinâmica. A existência de uma pluralidade de centros de decisão, de constelações que se fazem e desfazem.

– A arte política como a arte de governar pelo consentimento e pela persuasão, onde o político, como o tecelão, é o que harmoniza contrários. A arte política como o preciso contrário da tirania, onde se governa pela violência e pela opressão. As fases do processo político: perusasão, autoridade, engodo e força.

–A persuasão política como procura do consenso. A utilização da palavra para se cconseguir a adesão. A autoridade. A ocupação de um lugar superior pelo autor do discurso. A ideologia, a propaganda, a manha e o controlo da informação. A força, visando a obediência pelo temor. O poder como rede de poderes e a governação como processo de ajustamento entre grupos. A governação como modo dinâmico de gerir crises. A política como um processo de negociaçãp e de troca.

— A questão dos grupos. A perspectiva pluralista e a perspectiva elitista. A política como processo de decisão. A pluralidade de centros de decisão. O modelo poliárquico.

— Teoria das elites. Mosca, Pareto, Michels, Lasswell, Kaplan, Burnham e Wright Mills.

— A polis entendida como rede de micropoderes, como instituição das instituições ou network structure.


Retirado de Respublica, JAM


Deixe um Comentário so far
Deixe um comentário



Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: