Escola de Ciência Política


Estado (O) Pós-Corporativo, 1973
Setembro 26, 2007, 1:18 am
Filed under: Ficheiros bibliográficos

De Francisco Lucas Pires publicado durante o marcelismo, onde se analisa o fenómeno do Estado Novo. Considera a Constitutição de 1933 como eclética e programática, onde há um conceito liberal de nação, como corpo eleitoral, sendo dominante um realismo contemporizador, dada a solução de síntese que veio depois da idade madura a seguir aos ímpetos primitivos de nascimento e ruptura. Considera que o respectivo corporativismo não passa de um corporativismo económico, sem ópios doutrinários, pelo que é moroso, pragmático e legal. Os organismos corporativos, não saindo da esfera privada assumindo carácter estatal como aconteceu com o fascismo. O Estado assume-se assim como um Estado-árbitro, como um Estado não-económico, como uma economia auto-dirigida e não-política. Deste modo, o mundo da economia seria o de um conjunto de interesses parciais e disseminadados; o da política um todo uno, coerente e indivisível. A linguagem hermética do artigo não deixava de esconder uma viagem do autor no sentido da democracia pluralista e liberal, como notou Marcello Caetano na resposta à oferta do autor.

Retirado de Respublica, JAM
Advertisements

Deixe um Comentário so far
Deixe um comentário



Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: