Escola de Ciência Política


Justa Acclamação do Sereníssimo Rey de Portugal, D. João o IV, 1644
Julho 7, 2007, 9:53 pm
Filed under: Ficheiros bibliográficos, História Política Portuguesa
De Francisco Vaz Gouveia, que tem como subtítulo. Tratado Analytico dividido em tres partes, ordenado e divulgado em nome do mesmo Rey em justificação da sua acção. Considerado pelo pombalismo como destrutivo da união cristã. Conforme o nosso jurista da Restauração, o poder régio, civil ou político “consiste e está em toda a República, Povo ou Comunidade”, dado que a sujeição civil começou depois do pecado original, até porque foi Caim que fundou a cidade, “que é o mesmo que Comunidade e República”. Considera que “o poder político, e civil de reinar, tomado absolutamente, é dado e concedido imediatamente por Deus nosso Senhor, como Autor da natureza; não por concessão e instituição particular, senão pela mercê da criação dos homens, que em consequência traz haver entre eles este poder para se poderem conservar”. Assim, os homens “de sua natureza são propensos a terem comunicação entre si, vivendo juntos, e sendo políticos e sociáveis”. E “para viverem juntos em República, e Povo que constitui como um corpo”. Para ele, o poder “está em toda a república, Povo ou Comunidade” porque procede da “razão natural da conservação” que “per direito natural não está determinado, em que este princípio (o da conservação) se funda, não está determinado o modo de governar; nem por Monarquia, sendo por uma pessoa; nem por Aristocracia, sendo muitos”. Para Velasco Gouveia, na senda de Suarez, Navarro, Molina e Belarmino, que cita, os reis têm o poder de Deus, “não recebido imediatamente dele, senão mediatamente pelo meio dos povos, que imediatamente lho transferem, sendo criado e instituído por Deus”. A partir destas bases conclui o seguinte: ‑” o poder régio dos Reis está originariamente nos Povos, e Repúblicas e que deles o recebem imediatamente” ‑ “o poder que os povos transferiram a princípio nos Reis para os governarem; não foi por translação total; antes ficando‑lhe sempre habitualmente, para o poderem reassumir nos casos, em que precisamente lhe fosse necessário para sua conservação” ou “defensão natural” ‑ “os Reinos e Povos deles têm poder para negarem a obediência aos reis intrusos sem título, ou tiranos no governo e os privarem. Submetendo‑se a quem tiver direito legítimo de reinar” ‑ “regularmente… podem os Reinos e povos por si sós, sem dependência dos sumos Pontífices e sem preceder aprovação sua, privar deles aos Reis e aclamar e pôr outro” e “o podem fazer sem aprovação dos Papas salvo quando por ser necessário precisamente ao bem espiritual deles, o fizerem os Sumos Pontífices, por faltar nos Reinos o poder temporal para isso” ; assim, considera que “o Reino de Portugal e Algarves é próprio dos Reis deles, sem reconhecerem Imperador, nem outro superior algum temporal; e pelo conseguinte, o mesmo Reino, e Povos dele, podem… privar aos Reis injustos e intrusos e aclamar aos que forem justos e legítimos sucessores; sem dependência alguma, nem do Papa, nem do Imperador”; ‑ “o Reyno tinha poder legítimo para validamente por si só privar a el Rei Católico de Castela e para reconhecer por Rei o Sereníssimo D. João o IV, que fez em dito primeiro dia de Dezembro de 640 e no das Cortes de Janeiro de 641”. Seria, pois, o povo que, através de um pacto transferiria o poder para os reis: “a instituição dos Reis, e a translação do poder régio neles, se fez entre os homens por modo do pacto; transferindo neles o poder, com pacto, e condição de os governarem, e administrarem com justiça, e tratarem da defensão, e conservação, e aumento dos próprios Reinos”. Contudo, os povos concedem aos reis os poderes in perpetuum e “não o podem reassumir, salvo em certos casos, e com certas condições e circunstâncias”. Aceita a própria tese de Mariana, considerando que pode matar‑se o tirano: “não somente a republica, e o reyno, mas cada hum dos particulares”, porque (segundo S. Tomás), “onde o Sancto, com Marco Tullio approva por esta cabeça, a morte que derão ao Emperador Julio Cesar, que com tyrania occupava a Republica Romana”(p. 38).

Retirado de Respublica, JAM

Advertisements

Deixe um Comentário so far
Deixe um comentário



Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: