Escola de Ciência Política


Cassirer, Ernst (1874-1945)
Fevereiro 6, 2007, 10:06 pm
Filed under: Biografias
Alemão de origem judaica, nascido em Wroclaw. Estuda em Marburgo, com Hermann Cohen e Paul Natorp. Professor em Berlim, desde 1906, e em Hamburgo, entre 1919 e 1930. Reitor desta Universidade em 1929-1930. Depois da ascensão de Hitler ao poder vai para o exílio, ensinando nas Universidades de Oxford (1933-1935) e Gotemburgo, na Suécia. Emigra para os Estados Unidos e ensina em Yale (1941-1944) e na Columbia University de Nova Iorque (1944-1945). Neokantiano, criador da chamada filosofia das formas simbólicas.
Unidade das formas simbólicas
Assume-se contra a dualismo de Windelband, que opunha as ciências nomotéticas às ciências idiográficas, propondo a unidade das formas simbólicas, entendidas como representações activas do mundo e não como imagens passivas (v. g. o mito, a linguagem verbal e numérica, a arte). Elas são considerados os meios característicos criados pelo homem para separar-se do mundo. Mas, através desta separação, o homem acaba por unir-se mais firmemente ao mundo.
Forma como abstracção ideante
Considera, assim, que o princípio constitutivo das ciências da cultura não deve ser procurado nos valores, mas sim na forma, considerada como uma unidade na orientação, não uma unidade no ser, isto é, uma abstracção ideante e não como conceito.

As ciências da cultura
Considera que o princípio constitutivo das ciências da cultura não deve ser procurado nos valores, mas sim na forma, considerada como uma unidade na orientação, não uma unidade no ser, isto é, como uma abstracção ideante e não como conceito. A cultura é vista como um mundo intersubjectivo: o homem vive nas palavras da linguagem, nas imagens da poesia e das artes plásticas, nas formas da música, nos quadros forjados pela imaginação e pela fé religiosa. Porque necessita de representar imaginariamente algo que não existe para poder passar da possibilidade à realidade, da potência ao acto.
O símbolo
O símbolo é que origina a cultura, incluindo entre as diversas actividades simbólicas, o mito, a linguagem, a arte e a historiografia. Se o naturalismo se preocupa com o ser e com a causa, eis que a filosofia das formas simbólicas deve preocupar-se com o devir e com a forma. As ciências da natureza determinam, as ciências da cultura caracterizam. E isto porque o fenómeno da cultura está carregado de significações que ultrapassam a coisa, pelo que o conhecimento só pode fazer-se por aproximações.
Contra o positivismo
Neste sentido, proclama que a regra fundamental do positivismo consiste em afirmar que qualquer proposição, que não possa ser reduzida com o máximo rigor ao simples testemunho de um facto, não tem nenhum sentido real nem compreensível.
O nome e a essência
Observa que o nome e essência estão entre si numa relação recíproca e necessária: o nome não significa apenas, mas é a essência do objecto; a potência da coisa real está contida no nome.
Retirado de Respublica, JAM
Advertisements

Deixe um Comentário so far
Deixe um comentário



Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: