Escola de Ciência Política


Campanella, Tommaso (1568-1639)
Fevereiro 6, 2007, 5:32 pm
Filed under: Biografias
Dominicano da Calábria, autor de Città del Sole, escrita em 1602, onde descreve uma república filosófica, governada por um príncipe-sacerdote, dito Sol ou Metafísico, eleito com base na sabedoria. Nessa obra, proclama que o amor deve combater e vencer todas as formas de divisão, de dispersão, de oposição, defendendo a necessidade da humanidade (… ) formar uma monarquia universal, governada por um chefe único, simultaneamente rei e sacerdote, assim se reencontrando o estado primitivo, natural e divino. Campanella, mais célebre do que conhecido, conforme as justas palavras de Giovanni Gentile, é um desses típicos pensadores de encruzilhada. Seguindo os ditames da unidade do género humano, debaixo de um só poder político-religioso, ele que acreditava ser a religião a alma da política, escreve também Monarchia di Spagna, em 1593-1595, numa primeira versão, depois revista em 1598-1599, Aforismi Politici, de 1601, Monarchia del Messia, de 1605, e Monarchia delle Nazioni, de 1635. Em Monarchia di Spagna, defende a unificação da humanidade debaixo da monarquia espanhola, mas com o primado político do Papa, dado considerar aquela como um braço secular, principalmente armado, ao serviço de um monarca-Pontífice, este sim o verdadeiro monarca universal do mundo, dotado de um principato assoluto a se stesso sufficiente con l’uno e l’altro gladio. Já a Città del Sole é escrita quando estava detido numa prisão napolitana, entre 1599 e 1626, acusado de ter alinhado numa revolta contra o poder filipino, com o apoio dos próprios turcos (ver a trad. port., A Cidade do Sol, Lisboa, Guimarães, 1990). Depois, entre 1626 e 1629, passou para os cárceres do Santo Ofício em Roma. Entre 1629 e 1634 viveu, contudo, em liberdade, sob a protecção do papa Urbano VI, mas, a partir de 1634 e até 1639, refugiou-se em França, protegido por Luís XIII. Curiosamente, foi modificando o modelo salvacionista, dado que, ao passar para a prisão romana, substitui o Sol pelo Papa e voltou a elogiar a monarquia espanhola, para, depois de 1634, substituir a monarquia espanhola pela monarquia francesa, justificando tal atitude pela consideração que monarquia espanhola terá apenas servido de preâmbulo para outras nações poderem aderir à monarquia de Cristo. Eis uma obra que, segundo Gentile, está cheia de contrastes e contradições internas, que têm um significado histórico geral e iluminam todo o período de revolução espiritual que nele culmina, dando lugar a um drama individual que não tem somente um interesse biográfico, mas que nos dá a chave para compreender o seu pensamento. Se lermos as suas próprias palavras, veremos que a monarquia filipina tinha condições para assumir esse papel porque recebera a linha imperial da Casa de Áustria, descobrira o Novo Mundo, derrubara Portugal e tinha franceses e ingleses e alemães em estado de depressão (… ) por causa das suas repugnantes e falsas religiões. De qualquer maneira, importa salientar que as suas concepções talvez sejam o exacto contrário das de Maquiavel, filiando-se, sobretudo, em Platão. Como ele próprio observa, a suma da razão política que o nosso século anticristão chama razão de Estado consiste em que se valora mais a parte que o todo, e que o homem se valora a si mesmo mais que à espécie humana, mais que ao universo e mais que a Deus. Procurava uma teoria para a unidade do género humano, num crescendo comunitário que passava pela relação homem-mulher, pais-filhos, amos-criados, família, aldeia, cidade, província, reino, império, vários impérios sob o mesmo poder, até chegar-se ao estádio de todos os homens debaixo da espécie humana, onde o Estado era definido como comunidade e associação de muitos indivíduos governada por um poder superior, como uma comunidade vinculada pela boa fé submetida a um poder moderado, visando a comunidade de bens (da alma, do corpo e da fortuna). Em primeiro lugar, a alma. Logo a ideia de que a religião, a religião natural ou racionalizada, assinale-se, constituiria a alma da política, assumindo-se mais como uma religião secular do que como uma teocracia. Porque a comunidade da religião é a que mais unifica entre todas, para o que cita o caso do Pontífice Romano, considerado mais unificante que a comunidade dos corpos (dá o exemplo do turco que une judeus, cristãos e maometanos) e que a comunidade de fortunas (caso da monarquia espanhola reinando sobre genoveses e napolitanos), dado que este governo circunscrito aos bens da fortuna é, inquestionavelmente imperfeito, pelo que o Estado assim formado é um Estado incompleto e precário. Conclui assim que nenhum rei cristão pôde jamais suster por si só a monarquia de toda a cristandade, porque o Papa está por cima dele e faz e desfaz os seus projectos.
Retirado de Respublica, JAM

Deixe um Comentário so far
Deixe um comentário



Deixe uma Resposta

Please log in using one of these methods to post your comment:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s



%d bloggers like this: